terça-feira, março 28, 2006

ROY LICHTENSTEIN (1923-1997)


Roy Lichtenstein no seu estúdio, 1985



A Melodia Persegue a Minha Fantasia, 1965

The Melody Haunts My Reverie

Tela de seda em vermelho, azul, amarelo, preto, 69,9 x 51,4 cm.



De certa forma, Lichtenstein sempre pareceu estar a considerar toda a arte quando pintava, pensando o que seria a arte, o que esta representava, para que servia, quando e se ele a desejava ou não.

Era quase impossível para Lichtenstein olhar para a arte com a reverência que a classe média instruída lhe dedicava. A banalidade fria transportada para a sua banda desenhada e para as suas imagens publicitárias, era um insulto para a instituição da arte, tradicionalmente ligada, como era, às coisas intelectuais e espirituais.



ART, 1962

Óleo sobre tela, 91,4 x 172.7 cm.

Minneapolis (MN), Collection Gordon
Locksley

A grande pintura ART era uma placa para ser pendurada na parede, prova positiva de que o seu dono era de facto um coleccionador, uma pessoa de cultura. Em que é que a arte se tinha tornado senão numa mercadoria, um simbolo da classe coleccionadora, uma relação de amor estética e incestuosa carregada de implicações metafísicas? Como uma instituição, a arte merecia ser posta em contacto com a realidade na forma de cultura popular.

Fotos: TASCHEN

16 comentários:

  1. Posso brincar com esse balão de fala e dizer que a minha fantasia persegue uma melodia?

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Claro que sim, Laerce! Os balões de fala servem para isso mesmo! :)

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. belo registo aqui nos vais deixando:)

    beijinhos, Isabel.

    ResponderEliminar
  4. Querida Musa;

    São os registos das coisas que me falam ao coração! :)

    beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. mais uma lição de arte!!!!! O que se aprende aqui...

    beijocas ainda sem tela e sem paleta

    ResponderEliminar
  6. Ainda sem tela e paleta; Mocho?

    E eu a pensar que me vinhas dizer a data da exposição! :))

    Muitas beijocas! :)

    ResponderEliminar
  7. Gosto da "irreverência" de Lichtenstein. Beijos

    ResponderEliminar
  8. Caro Manuel;

    eu tb... do traço e das cores! :)

    Já segui o link... :)

    ResponderEliminar
  9. Maravilhosa a arte de Lichtenstein...

    Um abraço e bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  10. Menina-marota;

    Sem dúvida! :)

    Vou passar algumas horas do fim de semana ao cavalete mas é uma opção. :)

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  11. ó amiga mas pensas que eu tinha a audácia de te mostrar os meus gatafunhos...olha a vergonhaça

    Cada macaco no seu galho

    beijocas artisticas

    ResponderEliminar
  12. Oh Mocho!

    Será que me estás a chamar macaca? eheheheh!

    (que falta que me faz aqui aquele bonequinho que rebola a rir!)

    Beijocas do coração.

    ResponderEliminar
  13. No mínimo, uma forma bastante informal e irreverente de tratar a arte. E ainda bem!
    Beijos

    ResponderEliminar
  14. Amiga mais linda !!!!

    Olha que se a malta começasse a imprimir os teus post's e a compilá-los num dossier, teriamos, no fim, quase um curso de história de arte !!!!

    E olha que o senhor também não é nada mal apessoado heim ????

    Beijoca encaracolada da amiguinha molusca que te tem sempre no coração :))))

    PS. Espero que a festa do Pedro tenha sido de arromba .... não t esqueceste de lhe dar o meu beijinho ????

    :))))

    ResponderEliminar
  15. Olá Caracolinha,

    Para mim a História da Arte tem imenso interesse... e acabamos sempre por falar do que gostamos, não é?

    Quanto ao beijinho, foi entregue e agradecido! :)

    Beijocas para ti também.

    ResponderEliminar
  16. Olá Menina Graça;

    Exactamente...

    a forma que se impunha! :)))

    bj.

    ResponderEliminar