domingo, maio 14, 2006

PAULA REGO

Salazar a Vomitar a Pátria
1960


8 comentários:

  1. Não sei comentar Paula Rego. Gosto da arte imensamente sem me preocupar se sei falar dela. A exposição de Serralves, no ano passado, marcou-me. Inventei uma história de que hoje ainda gosto. A pessoa em si é extraordinária.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Laerce,

    nem eu sei...

    gosto ou não gosto... há empatia ou não há...

    deste 'Paula Rego' gosto sobremaneira por ser diferente, por estar distante dos das figuras que causam angústia, como os da colecção apresentada em Serralves em 2004...

    não tenho elementos mas penso que este é de uma fase muito anterior.

    Um bjinho.

    ResponderEliminar
  3. Acho piada aos títulos. Confesso que não é muito o meu estilo, mas deve ser bom para ela exteriorizar as coisas desse modo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Isa;

    Paula Rego é Paula Rego... os títulos são o que são... e se soubesse a data da tela talvez se fizesse mais luz... :)))

    bj.

    ResponderEliminar
  5. Venho com algum atraso, mas a data da obra é 1960. Há mais "luzes" sobre uma possível interpretação da mesma no segundo parágrafo de um breve ensaio disponível no site do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, aqui:
    http://www.camjap.gulbenkian.org/Gallery/%7Ba2f23309-d39a-4109-a43b-9c4d785ffdfc%7D/f458805e-f5b0-42cb-a83b-c9963ab00d1d.pdf

    ResponderEliminar
  6. Viva, Kátia;

    pois muito obrigada por esta preciosa ajuda que confirma o período em que eu situei a tela...

    sabe, quando em dúvida, ocorre-me sempre o pensamento "A Kátia sabe, de certeza"... :) e são inúmeras as vezes em que gostaria de lhe pedir opinião.

    Vou tentar incluir no post o parágrafo que me indicou - para posterior consulta dos que aqui vierem espreitar. :)

    Um [] :)

    ResponderEliminar
  7. Não sou nenhuma enciclopédia ambulante, mas tenho uma curiosidade imensa que me leva a procurar e a encontrar. Por vezes dou de caras com coisas que não procuro mas que mais tarde me vêm a dar jeito ;)
    Pergunte o que quiser, sempre que queira. Poderei não saber responder logo (e é o mais certo), mas hei-de pesquisar e chegar a uma conclusão que terei todo o gosto em partilhar :)
    Quanto às opiniões... veja bem que até coloquei a ressalva do adjectivo "possível" na interpretação da pintura acima referida. Nada na Arte é dogmático e tudo é passível de múltiplas reflexões. Cada pessoa dá o seu contributo ;)

    P.S.: fiquei extraordinariamente comovida com o seu texto sobre a Piccolina!

    ResponderEliminar
  8. Bom dia Kátia,

    Eu tb partilho o princípio de que quem procura encontra... e a informação que 'armazeno' tb se revela útil mais tarde... para mim e 'outros', mas não quero deixar de sublinhar que há pessoas que têm o dom de estar atentas - a Kátia tem - e isso tem vindo a revelar-se ao longo desta já longa troca de palavras que aqui começámos um dia - e estou-lhe grata por isso.
    Qto aos considerandos, mais uma vez de acordo - está tudo 'em aberto' e cada pessoa dá o seu contributo. Obrigada por ter dado o seu.

    A Piccolina é mais uma dos muitos que fomos acolhendo em décadas de vida... é a parte prática da teoria, da nossa preocupação com os errantes e abandonados. :)

    Um beijinho grande para si. :)

    ResponderEliminar