terça-feira, setembro 06, 2005

JOSÉ DE GUIMARÃES




JARDIM DAS ARTES
Macau, 1999

9 comentários:

  1. Olha fez-me lembrar que poderia ser uma foto a colocar no me post de hoje....

    Bela escultura

    ResponderEliminar
  2. ver estas coisas, do fundo minha ignorância... é como ser o boi a olhar para o palácio

    ResponderEliminar
  3. pronto, vá lá... gostei de ser o boi a olhar para os desenhos do juan miró nas ramblas de barcelona ;)

    ResponderEliminar
  4. Olá, B.B., bom dia! :)

    Eu gosto do trabalho do José de Guimarães...

    assim como gosto de divulgar o que os nossos artistas vão deixando pelo Mundo.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Olá rsd :)

    pronto...ok... não gostas ou ainda não tiveste tempo de te debruçar sobre arte moderna mas, quanto a mim, estás no bom caminho; falas de Joan Miró e da sua cidade natal - Bacelona! :)

    Continua, si us plau! :)

    ResponderEliminar
  6. também gosto, das cores, dos modelados, apetece tocar, seguir as formas com os dedos.

    beijinho, Isabel.:)

    ResponderEliminar
  7. Bom dia, Musa! :)

    sabes que gostei de saber que gostas?

    as cidades monótonas são tão tristes... tão paradas no tempo. É propósito meu continuar a deixar aqui trabalhos desta série.

    Beijinho, dia bom. :)

    ResponderEliminar
  8. Querida Isabel: lamento dizer-te que parte do Jardim das Artes foi derrubada, para viabilizar a construção de um casino e de uma subestação de energiapara a Companhia da Electricidade de Macau. Estamos a falar de um jardim inaugurado em 1999, recordo. Há quem diga que todo ele virá abaixo. Para onde irão as esculturas de José Guimarães não sei. Espero que não se torne num mistério, como a estátua de Cargaleiro que se encontrava no átrio do Hospital, de que já falei lá no meu canto.

    (não tenho conseguido comentar aqui, espero que dê desta vez)

    Beijinhos grandes amiga Isabel da voz bonita! ;)

    ResponderEliminar
  9. Querida Noite,

    olha que notícia mais triste! É de bradar aos céus!

    Espero que alguém se encarregue de seguir o rasto das esculturas caso sejam retiradas. Eu lembro-me bem da divulgação que fizeste no teu blog, do assunto da escultura do Manuel Cargaleiro. Julgo que até lá deixei um comentário.

    Quanto à dificuldade de comentar aqui, não sabia. Espero que já esteja resolvida pelo Blogger.

    Também gostei muito de falar contigo. Pena o chá e os 'scones' não terem acontecido. :)

    Um beijinho grande.

    ResponderEliminar