quinta-feira, junho 23, 2005

QUATRO MESES DE VIDA


"DIOGO CÃO"

Este belo exemplar de cachorro Pointer, à época da foto com quatro meses e cerca de quinze quilos de peso, transformou-se num senhor cão de quase quarenta quilos. E ontem, deixou-me "à beira de um ataque de nervos"! No nosso passeio matinal pela mata, agora limpa de mato e de árvores mortas e excedentárias, num ápice, e na distância da centena de metros que nos separava, cercou um galináceo surgido sabe-se lá de onde, num local onde não há habitantes, e no meio de um enorme reboliço, enquadrado pelo esvoaçar do que pareciam os restos de um edredon de penas, não fora o cacarejar esbaforido da ave a lembrar que de outra coisa se tratava, a pata forte e certeira que se abate sem dó sobre o mais fraco. E eu, que lido mal com a morte, mesmo a de um galo em estado moribundo, depois de vencida a distância, a muito custo prendi o cão e procurei a ajuda dos vigilantes. A imagem do galo, derreado, depenado e ferido, a sucumbir lentamente, era demais para mim.



"DIOGO CÃO" - 8 anos


18 comentários:

  1. Um abraço, Isabel

    O Diogo cão está, é lindo, apesar da maldade de hoje: é o ciclo da vida e morte.
    Como nos documentários sobre a vida na selva em que o mais forte mata para comer. lei da sobrevivência.
    Embora no caso do galo, me parece q foi o instinto da caça a falar mais alto...
    :)

    ResponderEliminar
  2. Que lindo, o Diogo cão.
    Tive um dez reis de cão ;) que era assim: atirava-se a tudo quanto era bicho, inclusivé a outros cães, matou galinhas e pintos, ladrava aos carros que passavam e principalmente, ao homem dos gelado, na praia (será que via nele o seu veterinário, por causa da vestimenta branca?!).
    Morreu abocanhado por um cão a sério, como tantas vezes pensámos que pudesse acontecer...

    ResponderEliminar
  3. É bonito o seu Diogo-cão. Mas o meu "pindérico" teria arrastado até mim tão magnífico trofeu!É deliciosamente bárbaro!!!

    ResponderEliminar
  4. Bom dia, Vague Maria! :)

    Pois, o Diogo... o Diogo...! :)))
    E sim, claro que é o instinto porque cá em casa "caça só no prato", e segundo os livros da especialidade, o Pointer é uma extraordinária "máquina de caçar", embora não tenha sido essa a razão porque o adoptei mas porque me agradam cães de pelo curto, activos, dóceis, mas assim para o tresloucado :)
    Hoje, quando o soltei, meteu o nariz ao chão e foi direitinho ao local, como o "criminoso" que volta sempre ao local do crime! :)

    Beijinhos e votos de dia bom.

    ResponderEliminar
  5. Bom dia, Noite! :)

    Eu tenho pavor de lutas de cães. O Diogo já entrou em várias - muitas - primeiro como vítima e depois como adepto da teoria de que o ataque é a melhor defesa :) e daí já resultaram coisas incómodas, suturas várias, etc. Quanto à caça, apanha pardais ao levantar do voo, já apanhou pombos, abocanha os ouriços e atira-os ao ar, dispara atrás de coelhos e põe gatos em cima de árvores. Como vês, animação é o que não falta por aqui! :)

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Olá, dono do "Pindérico"! :)

    Com que então caçador? :)
    O "Diogo Cão" como qualquer "pointer" que se presa, é um cão de "parar". Persegue a peça a grande velocidade e estaca rapidamente imobilizando-a. Por vezes, lá sai patada para manter quietos os mais insubordinados, porque não recebeu treino, mas o instinto está lá, o de grande caçador. Trazer a peça é caracteristica dos "retrievers".
    Abstraindo-me, se possível, da cena de morte, o trabalho destes cães - os que param e os que cobram - é um trabalho digno de ser visto.

    Um abraço e votos de um bom dia.

    ResponderEliminar
  7. É lindo, o Diogo. Claro que cão de caça há-de ter instintos que, por vezes, não consegue ultrapassar.
    A minha amostra de cão nunca pesará 40 kg, e só o vejo com instintos caçadores dirigidos a... sapatos :)))

    ResponderEliminar
  8. Isabel,

    é assim, os mais fracos são vencidos. quanto a isso nada podes fazer.

    o Diogo Cão é lindo! e o que faz é por instinto. até pode ser por brincadeira.

    beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Isabel,

    Coisas destas acontecem. A segunda foto prova que ele está inocente e descansa tranquilamente sem peso na consciência...vá lá.


    Um beijinho

    ResponderEliminar
  10. Viva Isabel,
    Talvez um Perdigueiro ou um Dalmata!...:)))

    ResponderEliminar
  11. Azulinha,

    Diz quem sabe, que o facto de se permitir que um cachorro roa sapatos velhos é pouco conveniente porque sapato é sapato e ele não vai saber distinguir entre os novos e os velhos - os que pode e os que não pode roer. :) É preferível comprar-lhe brinquedos de borracha - dura - sem acessórios perigosos para o aparelho digestivo, como os apitos, os olhos presos com espigóes de metal, etc. Tal e qual as preocupações de segurança inerentes às crianças.

    Quanto ao peso, o P. essa bolinha de pelo, ficaria um monumento com 40 kgs. :)

    ResponderEliminar
  12. Musalia,

    É mesmo instinto... ele "para" tudo o que mexe, na mata. :) Além disse é dono de uma curiosidade excessiva; chega a abrir armários e gavetas para tirar o seu conteúdo. Sabe, inclusivé, carregar com a pata dianteira no pedal do caixote do lixo para o abrir. :)

    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  13. Laerce,

    A consciência "canina" mão lhe tira o sono! :) :) :)

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  14. Viva, Musqueteira,

    O Pointer é o perdingueiro inglês, descendente dos perdigueiros espanhois, levados para Inglaterra pelos caçadores da nobreza no séc XVIII, e cuja raça foi aperfeiçoada por cruzamentos sucessivos com "bracos". É o "Ferrari" dos cães de caça mas também um excelente cão de companhia, desde que se lhe providencie o exercício necessário, com sol ou chuva, para que se mantenha em boa forma física e psíquica.
    O Dalmata - tive 3 ou 4 na década de 70 - é o cão mascote dos Bombeiros norte-americanos, e no passado foi utilizado como cão de companhia, cão de caça e também como acompanhante de cavaleiros e de carruagens, pela sua grande resistência.

    Acho que já tive cães para todos os gostos - na sua mioria de grande porte. Nem me lembro da minha existência sem cães. :)

    Um abraço e as nossas... do costume.

    ResponderEliminar
  15. Com aquele olhar meigo, quem diria que ele cumpre bem os designios da sua raça: caçar!

    E o instinto, por vezes, fala mais alto!

    Um abraço terno e uma boa semana :)

    ResponderEliminar
  16. Olá, Menina_marota!

    Obrigada pela visita.
    Para si também uma boa semana e um abraço.

    ResponderEliminar
  17. Formiguinha,

    pode crer que sim. :)

    Obrigada pela visita... espero que volte mais vezes.

    Um abraço.

    ResponderEliminar