sexta-feira, agosto 12, 2005

TORGA POETA IBÉRICO


Miguel Torga nasceu a 12 de Agosto de 1907 em São Martinho da Anta, Trás-os-Montes. Faleceu em 17 de Janeiro de 1995. De seu verdadeiro nome, Adolfo Correia da Rocha, Miguel Torga é o pseudónimo literário pelo qual ficou conhecido. Era Licenciado em Medicina pela Universidade de Coimbra. Foi distinguido com vários Prémios Literários e a sua obra encontra-se traduzida em diversas línguas. Durante muitos anos editou os seus próprios livros.


Ave Poética

Não tenho nada mais senão as asas.
Quando subo os degraus do firmamento,
É com elas que subo e que sustento
O peso bruto desta incarnação.
Asas de penas que me vão nascendo,
E que voam depois, desconhecendo
Que fúria azul as levantou do chão.



Torga, sua mulher, e os cães de caça, diante da casa onde nasceu.

Foto: MIGUEL TORGA POETA IBÉRICO de Jesus Herrero - arcádia

16 comentários:

  1. Olha como eu adoro Miguel Torga... como poeta e como Ser, e este poema que fala de penas...tem tudo a ver comigo não é???!! LOL

    Olha e cá vai um dele que tanto gosto:

    Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
    E que nele posso navegar sem rumo,
    Não respondas
    Às urgentes perguntas
    Que te fiz.
    Deixa-me ser feliz
    Assim,
    Já tão longe de ti como de mim.

    Perde-se a vida a desejá-la tanto.
    Só soubemos sofrer, enquanto
    O nosso amor
    Durou.
    Mas o tempo passou,
    Há calmaria...
    Não perturbes a paz que me foi dada.
    Ouvir de novo a tua voz seria
    Matar a sede com água salgada.

    ResponderEliminar
  2. É sim, querido Mocho. E com todos os meus amigos do clube dos passarinhos...

    o Yardbird, e o Fernão Capelo Gaivota! :)

    Obrigada pelo 'Torga' que me ofereceste.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. A caracolinha, apesar de não ter penas, também sempre ouviu dizer que quando nos nos dão com uma mão, devemos dar com a outra ...

    Por isso ...

    No silêncio da noite é que eu te falo
    Como através dum ralo
    De confissão.
    Auscultadores impessoais e atentos,
    Os teus ouvidos são
    Ermos abertos para os meus tormentos.

    Sem saber o teu nome e sem te ver
    -Juiz que ninguém pode corromper-,
    Murmoro-te os meus versos, os pecados,
    Penitente e seguro
    De que serás um búzio do futuro,
    Se os poemas me forem perdoados.

    Beijinho Poético ~:o)

    ResponderEliminar
  4. Pois eu confesso que de Miguel Torga só li "Os Bichos"!
    Contudo, os versos que li no teu post aguçaram-me a curiosidade!
    Uma vez que vou estar com a Caracolinha e o Mochinho, que aqui também deixaram versos do autor,hoje já vou cravar uns livros de Miguel Torga

    A Vespinha sempre a aprender!

    ResponderEliminar
  5. Isabel,


    Já foste a S. Bernardo da Galafura?
    Já viste da lá o Douro, já sentiste a energia daquele ar que respiras?

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Caracolinha sem penas...

    lindo este Torga que aqui deixaste.

    Obrigada por contribuires com um dos seus poemas... um que também me diz muito.

    Beijinhos 'agostinos'. :)

    ResponderEliminar
  7. Vespinha,

    no meu tempo - raio de expressão :) - também se lia Torga no Liceu. Mas além de 'Os Bichos' há muito Torga para ler.

    'Crava' e lê! Vais gostar do 'Homem do Marão'! :)

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  8. é pá foi a malta toda à net copiar poemas do Torga

    Sim sim tudo muito culto, lera 1/3 dos bichos porque foram obrigados essa é que é essa!!!

    Ass: Triuviratum...: Um pena uma casca e uma asa

    É que no tempo do yougurte Adágio
    Não havia tanto plágio!!!!

    E agora me vou que a carne assada arrefece!!!

    ResponderEliminar
  9. Querida Laerce,

    Não só não fui como não conheço sequer o nome. E tinha obrigação disso...! :)

    Fiz o Douro algumas vezes; pernoitei na Pousada do Barão de Forrester e viajei até Pinhão. Mas onde fica isso? :)

    Um [] e boas férias.

    ResponderEliminar
  10. Querido Mocho...
    aposto que nem sabiam que o Torga nasceu a 12 de Agosto. :)))

    Não sei se já reparaste mas entretanto consegui caçar a foto desaparecida do post. E quem está lá... quem é? Um 'pointer' igual ao meu 'Diogo Cão'! :)

    ResponderEliminar
  11. Isabel,


    Já te respondi à pergunta, por mail.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Querida Laerce,

    já li, sim, e vi as fotos.
    Obrigada pelo mimo... és uma querida! :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  13. Isabel,

    comungo nesse amor pela sua obra, a poética e a prosa.

    Miguel Torga:
    Miguel de Miguel de Unamuno
    Torga da planta rasteira e bravia que nasce nos montes.

    beijos.

    ResponderEliminar
  14. Só uma pequenísima correcção: Torga não faleceu em Fevereiro, mas Janeiro de 1995.
    Obrigada por o teres trazido à conversa:)

    ResponderEliminar
  15. Musalia,

    Obrigada pelo teu contributo; nunca é demais lembrar as razões da escolha do pseudónimo.

    Um beijinho e continuação de boas férias.

    ResponderEliminar
  16. Cara Ana,

    obrigada eu pela informação; já confirmei nos livros de Torga que cá tenho e não faço ideia onde fui buscar o Fevereiro.

    Vou emendar como se impõe. :)

    Um []

    ResponderEliminar