quarta-feira, agosto 10, 2005

NA DISTÂNCIA

ISABEL MAGALHÃES

'NA DISTÂNCIA'
2001
73 x 92 cms
Acrílico sobre tela
Colecção Particular


INSCRIÇÃO

Quando eu morrer voltarei para buscar
Os instantes que não vivi junto do mar.

Sophia de Mello Breyner Andresen

28 comentários:

  1. Tela muito feliz. Sophia muito a propósito. Obrigada. Comecei o dia de uma forma bonta.

    ResponderEliminar
  2. Com a distância surge a ilusão
    Miragens de uma vida
    Sonhos que se tentam agarrar ao estender a mão

    Na distância traça-se o objectivo
    Rota definida
    Avança-se sem andar perdido

    Esta tela guarda a beleza de sonhos sem tempo; das quimeras da Alma; do nascente ao poente da distância de uma vida!

    Como sempre… grande mestria!

    Gostei muito!!

    Bjs
    @:)

    ResponderEliminar
  3. Oi Isabel...

    um trabalho lindissimo... associado a belas palavras.
    Bj

    ResponderEliminar
  4. Esta tela e estas palavras: uma combinação perfeita, Isabel! :)

    ResponderEliminar
  5. Harmonioso. Como tu!

    Bj da Vespinha

    ResponderEliminar
  6. Olá Isabel,

    O que existe na distância, Isabel, que nos faz desejá-la tantas vezes, como se lá estivesse o segredo para os nossos passos.

    Eu vejo esta inscrição sempre que estou junto do mar e não há maré que a consiga apagar.

    Este azul, o teu azul, eu gosto muito.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Isabel,

    Adenda:

    Na primeira frase do post anterior falta um ponto de interrogação.


    Eu acho que o vermelho cai bem no Diogo Cão.Aliás, era a tua camisola, pois...vermelho... dentadas... cor da paixão Ai que confusão!...

    Bem, logo o meu coração é verde e o teu?


    Um beijinho

    ResponderEliminar
  8. Ana Prado,

    Gostei da visita e das palavras. Com muita pena nao posso retribuir porque não há link para o seu blog. Fico à espera. :)

    Um []

    ResponderEliminar
  9. Meu querido 'Gui'... R.

    Que saudades dos teus comentários, que alegria a tua presença aqui no meu blog logo pela manhã. :)
    E claro, obrigada pelas lindas palavras que sempre me deixas.

    Um beijinho do coração. :)

    ResponderEliminar
  10. Olá Isabel Filipe,

    Obrigada pelas palavras e pela visita.
    É sempre um prazer vê-la por cá. :)

    Um []

    ResponderEliminar
  11. Caro Francisco,

    nunca é demais relembrar Sophia.

    Obrigada pela tua presença.

    Um []

    ResponderEliminar
  12. Cara Vespinha,

    E como é que agradeço este teu comentário? :)

    Um beijinho azul poético! :)

    ResponderEliminar
  13. Querida Laerce,

    na distância existe o mistério do desconhecido, a esperança que tão necessária nos é no dia a dia para vencer obstáculos... e nos faz desejar ir mais além.

    Quanto ao azul, é uma cor com uma larga faixa de adeptos. :)

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  14. Laerce,

    dentadas = a camisola roída, destruída. :)

    O meu coração é verde, clubisticamente. Paradoxalmente o vermelho é a cor de que mais gosto.:)

    Bjs.

    ResponderEliminar
  15. Estou a ver que a tia Sophia nos trouxe ainda mais beleza para a nossa blogoesfera, e depois esta tela é de uma imensidão que eu adoro...faz-me lembrar Nova Iorque vista a partir do mar....

    E como gosto deste azul.... até poderia ser a capinha de algo que me vai ser oferecido um dia destes rsrsrs

    Ass: O Mocho intrometido!!!LOL

    ResponderEliminar
  16. Meu Caro Mocho,

    Sophia, sempre!

    Já está oferecido e apenas à espera de ser recolhido. :) Mas olhe... não é capinha mas caixinha... 'erro meu' :)))

    E, se se portar bem, pode ser que o Pai Natal se lembre de si. :)))

    Beijinhos, Mocho 'pedincha'. ahahahah!

    ResponderEliminar
  17. Esta poderia ser bem a vista da casa dos meus sonhos ... num dia em que me tinha levantado bem cedo, ainda com o nevoeiro que usualmente paira sobre o mar nas manhãs frias de Inverno, enquanto pensava ... pensava em como era feliz por poder sentir a brisa fresca misturada com salpicos de água salgada que me tocavam nos lábios e na cara, ainda quentes ... e saboreava-os, enquanto desfrutava até à exaustão daquele momento único.

    Um momento em que não me conseguia distinguir da paisagem de profunda paz que me rodeava, e que, a pouco e pouco, me invadia ...

    (...)

    Pronto, agora se calhar era eu que ia ali tomar os comprimidos porque estava a precisar, não ????

    É que no tempo do Zé dos Limões, não havia tanta caracolinha com alucinações !!!!

    Beijinho (ainda) em Transe ~:o)

    ResponderEliminar
  18. O Natal tá a chegar
    nem consigo acreditar

    Tlim Tlão Tlim Tlão

    No tempo do tio joão
    Noa havia tanto pedinchão

    ResponderEliminar
  19. Caracolinha,

    alucinações?!?!...

    mas sonhar é preciso, e há ainda tanto caminho para percorrer... e a vida dá tantas voltas!

    Regra #1 cá de casa:

    Jamais abdicar dos sonhos!

    Beijinhos com esperança num novo dia! :)

    ResponderEliminar
  20. Caro Mocho,

    pois não, pois não! :)

    Beijinhos ao som do carrilhão! :)

    ResponderEliminar
  21. Belíssima a tela, muito bem "casada" com os versos de Sophia.
    Beijos

    ResponderEliminar
  22. água_quente... gatos...

    mas não é de água fria que eles têm medo? :)

    Obrigada pela visita,

    um [].

    ResponderEliminar
  23. ah ah ah ah .... por acaso gosto de sonhos, mas é com calda !!!!

    E eu nunca abdico de um SONHO ... quando não há numa pastelaria... vou a outra !!!!!

    É que no tempo da sandwich de presunto, não havi tanta caracolinha a mudar de assunto ...

    Beijinho a não saber lidar !!!!

    ResponderEliminar
  24. Oi Isabel...

    No Post em que me questionas sobre os meus trabalhos... deixei lá uma resposta para ti...

    Bj

    ResponderEliminar
  25. Obrigada, Isabel...

    já lá fui. :)

    Um []

    ResponderEliminar
  26. a serenidade que preciso retiro-a desse horizonte, de névoa depurada em azuis de amanhecer e cristalinos de mar. como uma núvem de sentires, envoltos em ternurentos afectos.

    beijos, Isabel.

    ResponderEliminar
  27. Querida Musalia,

    As tuas palavras também me trazem a serenidade que lindamente descreveste.

    Há sempre algo no amanhecer, assim como que a esperança no recomeçar.

    Um beijinho, nesta distância que nos separa. :)

    ResponderEliminar
  28. [ ]

    teresa almeida rocha

    ResponderEliminar