quarta-feira, novembro 02, 2005

PROXIMIZADE

Proximizade

No mundo em brutal aceleração em que vivemos hoje, escasseia o tempo para pararmos um pouco para reflectir em situações que nos rodeiam, de forma mais ou menos próxima / mais ou menos afastada, relacionadas com pessoas carenciadas, sem voz que permita dar expressão às suas necessidades mais básicas.
Por este motivo, procurando lutar contra o "cultivo da insensibilidade" que de alguma forma se vai instalando, um conjunto de "bloggers" decidiu reunir-se num projecto comum ("Proximizade"), visando potenciar as virtudes da blogosfera, no sentido de "aproximar uma mão amiga" (que será a de todos os que decidam de alguma forma apoiar / colaborar com este projecto) dessas pessoas carenciadas.

Como primeiro gesto prático e concreto, o "Proximizade" começou por "apadrinhar" uma criança carenciada em Moçambique, a Berta, de 3 anos.


Proximidade e mão amiga.

"Proximizade", feita do entusiasmo voluntário de quem quer ajudar a combater a apatia, a dispersão e a insensibilidade que nos ameaça se continuarmos indiferentes ao que se sabe e ao que se vê.
Aqui, já está a acontecer.

6 comentários:

  1. Ora aqui está o conceito de blog de serviço público ... que linda esta iniciativa, que linda a forma como sempre te envolves nestas e noutras causas !!!!

    É um privilégio comnhecer-te e saber-te tão amiga de todos os que precisam !!!!

    Bem hajas !!!!

    Beijoquinha solidária ;)

    ResponderEliminar
  2. Caracolinha,

    por enquanto ainda não fiz nada... nem sei como se pode ajudar a esta distância, com as intercepções que acontecem entre a partida e a chegada - melhor diria a NÃO chegada. Mas os autores do projecto, com quem ainda não troquei ideias, muito terão para dizer. Aliás fica aqui a informação que os não conheço, sequer.

    Muito mais poderia escrever, mas não quero entrar no campo político/económico de um país que não é o meu...

    Solidarizei-me para apoiar a Berta, ou outras Bertas, levada apenas por uma frase:

    "Não dar o peixe; ensinar a pescar".

    Mil beijocas.

    ResponderEliminar
  3. Olá Isabel,

    Parabéns pelo mérito da divulgação. Também gostaria de saber mais acerca do projecto.
    Quanto à solidariedade é o que diz, não se sabe se lá chega.
    O interessante é que num país onde há milhares de crianças órfãs por causa da sida e onde impera a miséria se vá realizar um Congresso de Agentes de Viagens, os bancos projectem estabelecer-se, se pense em grandes unidades agrícolas, como se já não tivesse sido experimentado com os resultados, que se sabem e a grande aflição seja o preço das viagens aéreas para aquele «paraíso», onde tudo isto vai ficar escondido dos empreendimentos turísticos como acontece na América Latina.
    Na recente visita do presidente da república moçambicano a Portugal, não se ouviu falar de nada, para além dos banquetes oferecidos pelo seu homólogo e do perdão da dívida de Cahora Bassa.
    Quanto ao provérbio “ Não lhes dês peixe, ensina-os a pescar”, é muito bonito, parece-me que é de origem chinesa, os futuros senhores de Moçambique, possivelmente ao preço da uva com problemas de bexiga.
    Um abraço.
    Dofra

    ResponderEliminar
  4. Olá Dofra,

    obrigada pela visita.

    No link do post tem acesso ao e-mail do Proximizades onde poderá esclarecer as suas dúvidas.

    Quanto ao resto... 'todos' - uns mais do que outros - sabemos isso, mas trata-se 'apenas' de ajudar crianças.

    Aqui em Portugal, quando uma criança me pede uma moeda, não peço primeiro um estudo sócio/económico e o registo criminal dos governantes da altura, antes de lha entregar. Dou ou não, conforme a avaliação que faço do caso, mas 'por norma', prefiro levar a criança a uma pastelaria e comprar-lhe uma sandes e um copo de leite. E porque não um chocolate... ?

    As crianças são sempre o 'elo mais fraco' da cadeia... as mais indefesas e as que mais sofrem os males do mundo.

    Pense nisso.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde

    Não ponho em causa a ajuda às crianças, o que questiono é a eficácia dos paliativos.
    No caso de Timor, não me parece que não tenha havido nenhum português que não tenha sido solidário.
    O que está em causa é a natureza humana.

    Pense nisso
    Um abraço
    Dofra

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde drofa,

    da 'natureza humana' cada um sabe da sua.

    Eu prefiro concentrar-me em críticas construtivas... das que apontam caminhos e apresentam soluções.

    Ficamos à espera das suas; de preferência no

    http://proximizade.weblog.com.pt/

    Da discussão nasce a luz!

    Um abraço.

    ResponderEliminar