quarta-feira, setembro 29, 2004

LISBOA COM TEJO


Lisboa com Tejo

1996
90 x 100 cms
Óleo sobre platex
Isabel Magalhães

Col. Autora

20 comentários:

  1. Lisboa sem Tejo deria Lisboa sem vida.
    E há tanta "portugalidade", tantas significações que se podem retirar das obras que por aqui tem passado. Surpreendem, dia após dia. Parabéns.

    Por fim uma sugestão de algo que acontece de bom por aqui pela região (já que quase nada se passa durante o ano inteiro):
    5.ª Bienal de Artes Plásticas da Marinha Grande (dedicada à criação em vidro ou sobre vidro) - 9 a 31 de Outubro no Parque Municipal de Exposições (acho que abre ao fim da tarde e fecha cerca das 22h)
    Além da bienal, há outras exposições que valem a pena.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. SalsolaKali;
    Dois agradecimentos; um pelo comentário e outro pela informação.
    Já vi as fábricas do vidro de Murano mas nunca visitei as da Marinha Grande. Espero - pelo menos - poder ir à 5ª Bienal.
    Outro abraço e volte sempre. :)

    ResponderEliminar
  3. Ai Lisboa... q bela cidade q tu tão bem pintaste. :)

    beijinhos, IM.

    P.S. Adoro as cores q usas.

    ResponderEliminar
  4. Bom dia Velvet! :)
    Esta é a minha cidade - a minha primeira tela - a que enche a minha sala com tudo o que ela encerra.
    Obrigada pela visita. Um beijinho para ti também. :)

    ResponderEliminar
  5. Gosto muito desta tela! Não me admira que lhe tenhas dado tanto destaque na tua casa, pois é realmente lindíssima! (não me esqueci do pedido da foto da que comprei ontem, mas agora não tenho a máquina fotográfica aqui comigo)
    Francisco

    ResponderEliminar
  6. Olá Isabel:

    É uma pintura muito bela, sem dúvida. Ou não estivesse prenhe de azuis...
    Mas... também sou lisboeta. E esta não é a minha cidade. A minha Lisboa é uma cidade luminosa, solar, cheia de amarelos, castanhos e ocres, e nem ao entardecer quando a atmosfera se azula, eu a vejo assim.
    Isto apenas para lhe dizer que para mim esse não é o meu 'título'. É claro que é o seu. É a sua visão da cidade e não a minha. Só posso aceitar. Não lhe posso negar que veja a cidade assim. Afinal, como disse Picasso "um pintor pinta para se libertar duma carga de sentimentos e visões". :)
    E se todos vissemos da mesma forma que piada tinha o mundo, que interesse tinha a Arte?

    Abraço,

    ResponderEliminar
  7. Olá Francisco!

    Esta Lisboa tem imenso valor para mim. Posso dizer que foi o primeiro quadro que criei e pintei - e com dimensões "generosas" - depois da fase de reproduzir, a "olho", 2 ou 3 telas, pequeninas, de pintores famosos. Foi um desafio que lancei a mim mesma e nem me atrevi a comprar uma tela; usei um platex como suporte, que isolei devidamente, pois o passo que queria dar parecia-me demasiado grande para a perna. :) Deus ajudou e o resultado está à vista.

    Cá fico então à espera de um futuro post com a tua nova aquisição. :)))

    ResponderEliminar
  8. Olá José António!

    É sempre benvindo mesmo com opiniões diferentes das minhas e a controvérsia que se gera é salutar. Longe vai o tempo, de má memória, em que tinhamos que concordar à força! :)

    Eu também gosto da Lisboa que menciona; a cor-de-rosa do Carlos Botelho, a ocre e castanha do João Hogan... e de tantas outras que por aí coexistem. No entanto, esta é a minha "Lisboa que Amanhece" - como canta/diz o Sérgio Godinho. Foi assim que a interiorizei e foi assim que a minha mão a reproduziu. E, acredite, que ao vivo é muito mais luminosa.

    Um abraço para si também e volte sempre. Gosto de o ler. :)

    ResponderEliminar
  9. "Lisboa Com Tejo" guarda um tom de azul para quem dela faz parte...

    Sugiro uma caminhada da Estação Fluvial de Belém até às Docas de Alcântara e voltar para quem quiser sentir esta tela.
    E porque não, perder a cabeça e na volta apanhar o barco.... :-)

    bjs

    ResponderEliminar
  10. A tapeçaria de Penélope, em tear de reflexos do Tejo, olhando a distância, esperando o regresso a Ítaca. Que se desfaz à noite, em pensamentos sombrios, lembrando o amado que demora. E novamente, se renova na luz azulada dos pontos em mosaico, de esperança.
    Beijinhos, amiguinha!

    ResponderEliminar
  11. Tejo, esse rio que é mar...mar que é rio, onde ambos se encontram. Onde o doce se torna salgado e nessa mistura quase perfeita, eu nasci...
    Lindo quadro e, o titulo..ispirou-me...a mim, um taurino;)

    ResponderEliminar
  12. Gui;

    Excelente proposta bem complementada com uma ida de barco a Porto Brandão. E porque não, também, uma visita ao Museu do Azulejo para ver o enorme painel - em muito bom estado de conservação - que retrata toda a zona ribeirinha desde Xabregas a Algés?

    E a sua pintura? Tem continuado? Não desista!
    Bjs. :)))

    ResponderEliminar
  13. Musalia;

    Eu fico de olhos arregalados a ler o que escreves. E se, em consequência, acabar por acreditar que pinto, a culpa é só tua! :)))
    Obrigada pelo apoio. É bom ter-te por cá.
    Beijinho... dorme bem! :)

    ResponderEliminar
  14. A maior parte das pessoas já não dá valor a essas pequenas coisas de grande valor.
    A simplicidade é uma virtude!
    Agora é mais centros comerciais!!! :-)

    As pinturas vão muito paradas... :-(
    Obrigado pela força!

    bjs

    ResponderEliminar
  15. Suspeitava - bastante - que és nativo de "Touro". Aliás deixei qq coisa sobre isso aí pela net. Agora, além dessa certeza, fiquei a saber que és um "Touro" doce salgado! Kidding! :)))
    Obrigada, Fernão, pelas tuas palavras. :)

    ResponderEliminar
  16. Gui;

    É um facto mas que não deve levar-nos a esquecer aqueles que ainda ligam, preocupam e interessam.
    Pela minha parte não desisto. Pode ser que este nosso diálogo desperte o interesse em alguém. :)
    Quanto à pintura, dizia o Picasso - grosso modo - "A inspiração é boa quando nos apanha a trabalhar".
    Mãos à obra... sff! :)))

    ResponderEliminar
  17. Isabel, tanto quanto consegui entender é já uma pessoa de créditos firmados no panorama artístico Nacional.
    Uma rápida visita ao Google permitiu-me conhecer uma Isabel Magalhães. Estou a flar da mesma?
    Lisboa tem uma luminosidade própria. É uma cidade belissima e o Tejo parece ser a fonte de vida de Olissipo.
    Inebriei-me com os tons, as cores e disposição de tudo isto no quadro que me foi dado ver. O resultado não podia ser melhor.
    Ã significação pertence à artista; as interpretações pertencem a quem vê a obra.
    Essa é a riqueza da Arte: as múltiplas visões de qualquer acto criativo.
    Adorei o quadro e calro que gostaria de o ver mais de perto.
    Grato pela visita que generosamente me fez, grato sobretudo por me ter dado a conhecer os seus quadros.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  18. LetrasAoAcaso;

    Gostei da sua abordagem ao assunto. De facto, a significação pertence à artista e esta minha tela vem carregada de significado. O azul e branco dos azulejos, a catedral, os vitrais, o casario nas colinas e o Tejo!

    Quanto ao Google, sim, ando por lá mais umas quantas outras IM - a jornalista, a ceramista e até uma parceria. :))

    Volte mais vezes. Um beijinho para si também.

    ResponderEliminar
  19. gostei desta tela, para falar a verdade gosto de muitas das que aqui apresentas , mas este azul captou os meus sentidos ...

    ResponderEliminar
  20. Ola Fátima!

    Seja benvinda ao Reino dos Azuis! :)
    Obrigada!

    ResponderEliminar