quinta-feira, setembro 30, 2004

ESTIO


Estio

1999
73 x 60 cms
Acrílico sobre tela
ISABEL MAGALHÃES

Col. Magda Magalhães

14 comentários:

  1. acho que só hoje vi o que perdi por não ter tido tempo de visitar , com calma, este blog.Parabéns pelas obras que apresenta.

    ResponderEliminar
  2. Fátima;

    Espero que seja o prenúncio de muitas outras visitas pois um dos prazeres da pintura é também o de partilhar.
    Volte sempre. Sinta-se em casa! :)

    ResponderEliminar
  3. Uma explosão de luz e calor!
    O verdadeiro pico do Verão.

    Transporta para paragens exóticas onde se experimentam todos os limites.

    De mestre!! :-)

    bjs

    ResponderEliminar
  4. Luz. Sol. Claridade. Transparência. São palavras que me surgiram ao ver esta tua tela. Muito bela. Boa noite e continuação de bons trabalhos!
    Francisco

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, Francisco! Essas palavras são lindas.
    bj... noite feliz!

    ResponderEliminar
  6. Este é meu, só meu e de mais ninguém ;)
    um bj à Mãe

    ResponderEliminar
  7. As telas são sempre de quem as assina. :)))
    Ninguém diz "Uma tela da Sra. A ou do Sr. B" mas sim "Uma tela da Pintora F. de tal"! lol

    Beijinhos. Dorme bem! :)

    ResponderEliminar
  8. A letra de uma música de Rui Veloso diz que "por trás de mim o bafo do estio, devolve-me à lembrança o Alentejo." Neste caso, eu digo: "à minha frente uma tão bela imagem do estio, devolve-me à lembrança o meu Alentejo." Um beijinho para si e bem haja pela partilha.
    João M

    ResponderEliminar
  9. Oh João! :)

    Caranguejo e Poeta, olhe que isso, para mim, são emoções a mais!

    Obrigada; adorei!
    ***

    ResponderEliminar
  10. Obrigadíssimo pelos parabens. Não sei o que é R.A.???:)))
    Bjocas

    ResponderEliminar
  11. Não tem que agradecer. Foi do coração.
    Quanto à resposta... seguiu por e-mail. :)

    ResponderEliminar
  12. O horizonte vacila. Em faixas de aragem escaldante, tremeluzente a respiração suspende-se, e o olhar corre, galga a planície, e estende rastos em braseiros rubros. A luz, carregada de ardência, rasga-se em brilho ténue, permitindo respirar de novo.
    Beijinhos, querida.

    ResponderEliminar
  13. Musalia, minha amiga!

    Mesmo num dia em que o teu coração está ainda mais cheio do que é hábito, conseguiste um bocadinho para vir ao meu blog deixar a tua magia.
    Muito obrigada e que este dia seja sempre tudo o que desejas.
    Beijinho.

    ResponderEliminar