domingo, novembro 12, 2006

ONDE O SORRISO?


Há quem mantenha a força de viver. Mas, em certas condições, é precido travar uma batalha. É preciso aprendê-la, recuperá-la ou reinventá-la. É preciso não a deixar fugir. Não desistir. Não abdicar de um sentimento, de uma coragem discreta. Sem alardes.
Há quem mantenha o olhar da persistência e da afirmação. O olhar da determinação. (O meu menino é d'oiro, / d'oiro é o meu menino. Mas onde a doçura e a alegria? Onde o calor de um afecto, de um sorriso? Onde a pérola, o cristal, o leite e o mel dos anos da infância? Onde a infância?)
Foto: Ribeira Brava (Madeira) 1974
in NÓS PORTUGUESES
Helder Pacheco

18 comentários:

  1. Há quem tenha sido contemplado com infâncias tristes, demasiado laboriosas, sem saber sequer o que era isso do afecto, dias cinzentos, dias em que chovia lama mesmo quando era Verão. E há quem tenha sobrevivido. Há quem tenha feito dos dias tristes verdes Primaveras porque há almas que não se contentam nem admitem subjugar-se ao lado feio da vida.

    O menino da foto e o texto do Helder Pacheco fizeram-me lembrar desta frase:

    Hay que endurecer pero sin perder la ternura jamás!! (Che Guevara)

    Beijinho. Bom Domingo.

    ResponderEliminar
  2. Há quem seja assim : como Tu....

    vento suave a chegar dos meus desertos.


    Há.


    beijo-te.

    ResponderEliminar
  3. e nos teus olhos repousa a sabedoria dos encantos.





    abraço!
    ___________________________

    ResponderEliminar
  4. Bom, creio que os tempos por lá já não serão bem estes. De qualquer forma estas imagens aida fazem parte do nosso imaginário pessoal.

    ResponderEliminar
  5. boa noite

    estive de fim-de-semana com uma amiga madeirense que me disse: vive-se melhor na Madeira que no Continente.

    Até amanhã!

    ResponderEliminar
  6. _____________
    _____________

    infâncias assim ou muito assim há-as em muitas madeiras e em mts continentes...
    _____________e a Madeira continua a ser "insular"....jardim no meio do mar e enganosamente fértil...

    e na R.Brava e no interior da ilha não se vive melhor do que no continente.

    boa noite I.

    ResponderEliminar
  7. A infância, das saudades, qual ilha perdida. Boa semana.

    ResponderEliminar
  8. As batalhas são realmente para ser travadas e se possível ganhas. Bom dia Isabel.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Onde a infância. Dói, Isabel.

    ResponderEliminar
  10. __________

    As tempestades partiram e não te abriram as vistas sobre o Bugio...:)

    E de vez em quando vou anotando num caderninho lilás as cores da viagem.
    Porque a memória vai-se e às vezes não volta, como a infância e tantas outras abstracções e matérias.

    As crianças tristes, humilhadas e ofendidas, como os animais, são do mais lamentável da condição humana, porque mais indefesas, ingénuas e frágeis.

    Mas as pessoas crescidas que são crianças tristes, como todos nós já fomos ou seremos em certas esquinas da vida, não são dignas de menor comiseração.


    E um beijo, com votos de grandes temporais, que derrubem os pináculos dos pinheiros que te "insularizam" o olhar.:)
    __________

    ResponderEliminar
  11. fico feliz em ver gente tão consciente da verdadeira realidade da Madeira interior. Espero que tenham lá estado porque quem me o disse é de lá, não afirmou por ler jornais ou poetisar.

    Mas quem sou eu para ir contra tão ditosas opiniões, que nem na Madeira ainda estive?

    Uma Caturra perante gente que se pensa tão dota. Pelo menos pensa e afirma (e existe?)

    Humilde vénia ao vasto conhecimento geográfico, antropológico, sociológico, estatístico e político

    Assim me retiro

    Boa tarde IM

    ResponderEliminar
  12. excepcionalmente:

    eu não sou da Madeira mas conheço "particularmente bem" a Ilha...no que ela tem de melhor e pior. nas diferenças e nas semelhanças com as outras. as de q.q. continente. mesmo que dito desenvolvido....e regra geral não "falo para o ar"....não "boto discurso sem saber...".

    esta mini resposta é para a T.D.
    ________________

    Boa tarde.

    ResponderEliminar
  13. Um blogue é feito de partilhas; registo a generosidade da vossa que aqui deixaram em forma de comentário.

    O nosso país é feito de muitas realidades. de norte a sul, do interior ao litoral, e sem esquecer as zonas degradadas e os subúrbios das grandes cidades onde a realidade é muito dura...

    Fica a unanimidade a respeito das crianças e dos "homens que nunca foram meninos".

    Obrigada.

    Tenham um resto de dia bom.
    I.

    ResponderEliminar
  14. desculpe Isabel ,cheguei atrasado(a) mas tenho uma palavra a dizer ... porque sou meio madeirense e conheço muito bem a Ilha ... talvezpara alguns ,ela seja igual a qualquer outra ... não ,desculpem ,mas não é assim .apesar de belíssima não posso comparar a Madeira aos Açores ou a qualquer ilha grega ... e todas ,apesar de imensos pontos de contacto ,são particularmente diferentes ... por isso ,minhas amigas e amigos convido.os ,a todos ,para uma espetada no Pico do Arieiro ou uma açorda ( única ) no Monte em noite/dia de Passagem de Ano .aceitam o convite?

    um beijinho da minha parte madeirense ( que ,apesar da insularidade ,vive muito melhor do que no continente ... mas isso sou eu ,o berbere ,o que é discutível!!!!!! )

    ResponderEliminar
  15. Olá Berbere! :)))

    A foto do post esteve sempre datada e tem igual correspondência no Portugal continental - os meninos sem infância.

    Geograficamente conheço a ilha 'palmo a palmo' porque estive lá com 'olhos de ver', - à época trabalhava na D. G. Turismo e tb fazia a divulgação promoção da ilha - e não houve 'cantinho' onde não metesse o nariz.

    Fui integrada numa equipa de filmagens que recolheu material e fez entrevistas para um filme sobre o comboio de traineiras oriundo de Angola. Em 1975.

    Passaram três décadas e não voltei à ilha, mas falo com pessoas, e sei que muita coisa melhorou além da abertura de estradas. O que não invalida o comentário que foca a diferença entre o Funchal e a Ribeira Brava. E Câmara de Lobos - digo eu, ou aquelas aldeolas perdidas no mapa a caminho de Porto Moniz, a Fajã, o Paúl do Mar...

    Lembro-me de ter falado com pessoas do Curral das Freiras, a escassos kms do Funchal, e que nunca lá tinham ido.

    Curiosamente não tenho qualquer apetência por um fim de ano na ilha, nem por uma visita nos meses de verão. É uma ilha mais calma que eu pretendo revisitar. :)

    O seu comentário veio a tempo, não se preocupe.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  16. acho que não me fiz entender ,nem foi ou é minha intenção provocar más interpretações que, sinceramente ,não são de meu feitio ... não pretendi dizer que a Isabel não conhecia a ilha ,até porque era facto que desconhecia.
    conheço a realidade de que fala ,mas também conheço a Calheta ,o Arco - de onde é toda a minha família materna - Madalena do Mar ,a Feijã ,o Curral das Freiras ,Machico ,e ,claro , melhor o Funchal.
    mas também sei que esse não sorriso encontro.o ,infelizmente ,a 30 km de uma praia bem conhecida do Algarve ,em crianças que ainda não viram o mar .custa a acreditar ,mas também é verdade ... dura ... mas é a realidade da beira serra e da serra algarvia ... não é nada agradável ... acredite

    ... e o meu convite ,Isabel ,foi meramente evocativo .se fui indelicado(a) ,peço desculpa ,não pretendi ser agressivo(a) ,porque ,aliás ,não o sou

    um beijo.

    ResponderEliminar
  17. al.jib;

    eu entendi... não se preocupe. e tb foquei a data da foto e que essa criança pode ser de qq parte de Portugal.

    qto ao convite se calhar a indelicada fui eu... mas sinceramente prefiro uma Madeira mais calma, mais tranquila, mais natural. (provavelmente porque já tive a minha dose de turistas.):)

    e por último, o post não foi - em tempo algum - um ataque á Madeira.

    espero que isto resolva o 'não' problema. :)

    um beijinho alfacinha.

    ResponderEliminar